domingo, 20 de janeiro de 2013

Sobre a justiça... (2)

 
  
 
 
"Um velho magistrado, sentindo-se morrer, pregava serenamente em seu leito:
 
- Senhor, gostaria ao morrer de estar seguro de que todos os homens por mim condenados morreram antes de mim.  Porque não posso pensar em deixar nas prisões deste mundo, sofrendo penas humanas, aqueles que nelas foram encerrados por ordem minha.  Gostaria, Senhor, quando me apresentar a teu juízo, de encontrá-los em espírito à tua porta, para me dizerem que sabem que os julguei segundo a justiça, segundo aquilo que os homens chamam de justiça; e, se com algum deles fui injusto sem perceber, a este mais que os outros gostaria de encontrar lá, a meu lado, para lhe pedir perdão e para dizer-lhe que, ao julgar, nunca me esqueci de que eu era uma pobre criatura humana, escrava do erro; que, ao condenar, nunca pude reprimir a perturbação da consciênica, tremendo diante de um ofício que, em última instância, só pode ser teu, Senhor." (grifo meu)
 
 
Piero Calamandrei em "Eles, os juízes, vistos por um advogado".
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário